Qualquer processo operacional ou produtivo de qualquer empresa é composto de várias etapas, mas geralmente apenas algumas delas agregam valor ao produto ou serviço. Algumas etapas não agregam valor, mas são necessárias. Contudo dependendo da maneira como se procede nessas etapas, normalmente, desperdiçam-se muitos recursos, tanto de tempo, quanto de materiais.

Para uma empresa ser competitiva e ao mesmo tempo lucrativa, ela precisa:

  • Eliminar as etapas desnecessárias que não agregam qualquer valor ao serviço;
  • Mudar a maneira de proceder nas etapas necessárias, mas que também não agregam valor, buscando sempre reduzir custos, seja de tempo, como de materiais; e
  • Racionalizar as etapas que agregam valor buscando minimizar os custos envolvidos e melhorar a qualidade.

Um exemplo tradicional das etapas do processo produtivo é o da linha de tempo para o processo de fundição, processamento mecânico e montagem, desenvolvido por James P. Womarck e Daniel T. Jones.

Como se pode ver, poucas são as etapas que agregam valor ao produto no processo de fundição acima descrito. A maioria não agrega. Algumas etapas, por serem desnecessárias, poderiam ser descartas. E se fosse modificado o processo das necessárias, para uma forma mais racional, se poderia reduzir muito os desperdícios de tempo.

Os tempos de ‘espera’, por exemplo, que são desnecessários, se eles fossem eliminados reduziriam custos e ainda reduziriam o tempo de processamento, ou ‘lead-time’, reduzindo custos de armazenagem e ganhando na entrega mais rápida da mercadoria ao cliente. Da mesma maneira, se as atividades de transporte, setup, inspeção, etc. que são necessárias, mas que não agregam valor, tivessem seu tempo reduzido, se obteria o mesmo resultado em eficiência.

Por outro lado, quando se fala em redução de custos, infelizmente, a grande maioria dos gestores se foca nas etapas que agregam valor, porque elas são as mais visíveis. E aí, eles acabam reduzindo custos que afetam a qualidade do produto ou serviço, como comprar matérias-primas e componentes mais baratos, contratar mão-de-obra mais barata e menos qualificada, etc.

Muito raramente, um gestor mapeia e estuda em profundidade todas as etapas do processo para separar as atividades que agregam valor das que não agregam, para eliminar as que são desnecessárias e tornar mais eficiente o processo das que são necessárias, mas que não agregam valor.

Como se isso não bastasse, vale ressaltar que reduzir custos das etapas que agregam valor exige profunda experiência e muita sensibilidade do gestor, porque, na maioria dos casos, para se reduzir esses custos é necessário investir em automação e em dispêndio com matérias-primas e produtos de melhor qualidade, mão-de-obra mais qualificada, etc.

Desperdício no Processo Administrativo.

São raras as empresas que automatizam o processo burocrático como corresponderia. O resultado disso é o excesso de empregados administrativos desnecessariamente, trabalhos improdutivos, falta de controles, de informações, informações de má qualidade, desorganização, excesso de papelada, etc. etc. etc. Reflitam…

 

Por: Luiz Alberto Castro – Coordenador de Compras E Comércio Exterior na Aruá Comércio e Serviços Ltda
https://www.linkedin.com/pulse/desperd%C3%ADcio-processo-operacional-ou-produtivo-luiz-alberto-castro